Tireoidectomia endoscópica pelo acesso transvestibular

Dr Jorge Pinho – CRM: 8842
Cirurgião de Cabeça e Pescoço
Cirurgião de Tireóide

TCBC- Jorge Pinho MD, FACS • Member LATS – Latina American Thyroid Society • Vice-Presidente do Colégio Brasileiro de Cirurgiões • Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia de Cabeça & Pescoço • Diretor da Unidade de Tireóide e Cirurgia de Cabeça & Cabeça do Hospital Memorial São José – Recife – PE • Fellow American College of Surgeons- FACS • Membro da Academia Americana de Otorrinolaringologia e Cirurgia de Cabeça & Pescoço

TOETVA (Tireoidectomia endoscópica pelo acesso transvestibular)

A equipe da Clinica Jorge Pinho é o primeiro de Pernambuco a realizar a Tireoidectomia endoscópica transoral por acesso vestibular por VIDEO (TOETVA), ou seja, a retirada da tireoide sem deixar cicatriz no pescoço. O acesso à glândula é feito através da área transvestibular (espaço entre o lábio e os dentes inferiores), com equipamento de vídeo. No local, são feitas três pequenas incisões para a passagem da câmera e das pinças que são manipuladas pelo cirurgião.

O primeiro procedimento deste tipo na capital pernambucana foi realizado no final do mês de março pelo cirurgião de cabeça e pescoço Jorge Pinho. Em junho, foi realizada outra operação com a mesma técnica que se mostraram menos invasiva. Os resultados alcançados na cirurgia foram apresentados no EndoRecife, Congresso da área de endocrinologia e metabolismo – SBEM-PE, no dia 27/06/2019.

“Com a técnica, são feitas três incisões no lábio do paciente, evitando a cicatriz no pescoço. Assim, reduz o risco de infecção e a recuperação do paciente é mais rápida. O equipamento de vídeo também permite que o cirurgião visualize melhor as estruturas próximas à tireoide, como os nervos laríngeos superiores e inferiores (Nervo Recurrente) e as paratireoides, proporcionando mais precisão nos movimentos”.

Nós realizamos treinamento da técnica no Johns Hopkins Hospital, em Baltimore, nos Estados Unidos. Uma nova capacitação será prevista para o final do ano, na Tailândia, onde já foram realizados quase 2.000 procedimentos com essa técnica pelo Prof. Dr. Angkoon Anuwong - Bangkok.

Como a cirurgia de tireoide tem principal complicação, nós utilizamos a técnica de neuromonitoramento intraoperatório (IONM) durante a TOETVA, com o objetivo de obter informações sobre o estado dos nervos laríngeos no mesmo momento da cirurgia e, assim, minimizar os resultados adversos pós-operatórios. O IONM é realizado através de uma sonda monopolar ou bipolar de estimulação longa, com ponta arredondada, conectada ao sistema IONM. Os autores mostram vantagens do uso de IONM em TOETVA, sem incisão adicional, pois a sonda é colocada pela mesma incisão por onde passa o trocater lateral direito. Além disto, o estímulo é de menor intensidade à estrutura nervosa devido ao seu contato direto e não causa trauma, pela forma arredondada da ponta, entre outros. No entanto, as limitações no uso do IONM são os custos, a perda de CO2 por esse trocarte, a troca de instrumentos e a disponibilidade da sonda. Apesar disso, o IONM aumenta a confiança dos cirurgiões para realizar a TOETVA.

Em conclusão, TOETVA é um tipo de tireoidectomia minimamente invasiva que fornece vários benefícios pós-cirúrgicos, como mencionados acima. No entanto, a característica mais importante, que a torna superior à cirurgia aberta, é a ausência de uma cicatriz visível.

Desenvolvido por: EBGE - Editora Brasileira de Guias Especiais | (81) 3097.7060 | sac@ebge.com.br